Candidato a Senador no parlamento italiano, Fernando Trezza, apresenta suas propostas durante coletiva de imprensa

Entre as propostas apresentadas, está a busca pela democracia eleitoral na Itália, modernização de leis e respeito pelo imigrante

Os Ítalo-brasileiros e italianos residentes no Brasil irão eleger dois senadores e quatro deputados para representar a América do Sul no parlamento italiano no pleito que acontece em fevereiro. Entre os candidatos, está o jornalista brasileiro, Fernando Mauro Trezza, que concorre ao cargo de Senador pela primeira vez, pelo Cívica Popolare. Durante coletiva de imprensa, realizada na última quinta-feira (08), o candidato a apresentou suas principais propostas.

Fernando Trezza é presidente da Associação Brasileira dos Canais Comunitários (ABCCOM) e atua na área de comunicação há cerca de 20 anos e diz que aceitou o desafio de concorrer ao parlamento italiano por acreditar na necessidade de modernização das leis do país. “O convite da atual deputada Renata Bueno, também foi um estímulo para esta empreitada”, comenta.

Na ocasião, Trezza declarou que pretende promover o direito ao voto aberto para Presidência na Itália e modernizar o parlamento italiano, trazendo um novo conceito de acessibilidade na estrutura. Outra proposta feita pelo candidato é acabar com as leis sexistas em relação à cidadania. “Na Itália, havia uma lei que não permitia que a mulher passasse a cidadania para seus filhos, sendo esta uma prerrogativa exclusivamente masculina. E a gente vai lutar, muito, para que não existam mais legislações discriminatórias a respeito do tema”, afirma o jornalista.

As filas do Consulado Italiano, no Brasil, também estão entre as preocupações de Trezza, para ele, não basta somente o investimento econômico, é preciso enfrentamento político para resolver a questão. Isso, porque, a relação entre o governo italiano e os imigrantes precisa ser mais aberta, “enquanto o espírito do italiano estiver armado contra os brasileiros, questões como esta não vão avançar”, finaliza o candidato.

O processo eleitoral Italiano é muito rápido, na Itália costuma durar cerca de 35 dias, fora do país dura 25 dias, e no Brasil, este ano, irá durar 21 dias, devido ao feriado de carnaval. A votação acontecerá por meio de cédulas que o Consulado enviará para casa dos eleitores italianos residentes no Brasil e dos brasileiros que têm dupla nacionalidade. Aqueles que tem 18 anos, idade mínima para participar das eleições no país, votam somente para deputado federal. Já os que estão com 25 anos ou mais votam também para senadores. Em caso de extravio das cédulas, o eleitor pode comparecer diretamente ao Consulado.

Fonte: Jornal Dia Dia.

Comentários